No dia 13 de maio de 1917, em um local conhecido como Cova de Iria, localizada na cidade de Fátima, em Portugal, três pastorinhos presenciaram a aparição da Nossa Senhora de Fátima.




Os três Pastorinhos, Lúcia, Jacinta e Francisco, estavam brincando pelo campo quando, por volta do meio-dia, interromperam a brincadeira para rezarem o terço, como era o costume naquele horário.

Assim que terminaram de rezar, quando estavam voltando para a brincadeira, as três crianças presenciaram dois clarões, semelhantes a relâmpagos.

No primeiro clarão, os três se recolheram pensando que iria chover. Então, um segundo clarão manifestou-se sobre a copa de uma azinheira, uma espécie de árvore que pode chegar a uma altura de 10 metros.

Logo que viram o segundo clarão, notaram também a presença de uma senhora vestida de branco, com um manto mais brilhante que a luz do sol, e o rosto sério de uma beleza incomparável.

O primeiro impulso foi que corressem. Entretanto, a senhora lhes pediu que eles não tivessem medo, pois não lhes faria mal.

Lúcia então pergunta à senhora de onde ela era. E a senhora de luz responde que veio do céu.

Lúcia perguntou à senhora o que ela desejava.

A Santa então fez seu pedido:

“Vim para pedir que venhais aqui seis meses seguidos, sempre no dia 13, a esta mesma hora. Depois vos direi quem sou e o que quero. Em seguida, voltarei aqui ainda uma sétima vez.”

 

Antes de partir Nossa Senhora de Fátima fez seu último pedido.

 “Rezem o Terço todos os dias, para alcançarem a paz para o mundo, e o fim da guerra.”

 

E as aparições de Nossa Senhora de Fátima ainda ocorreram durante sete meses assim como prometeu que faria.

 

Lúcia, que durante sua vida ficou conhecida como irmã Lúcia, faleceu no ano de 2005 aos 97 anos.

A história ficou registrada em sua vida, e atualmente o dia 13 de maio é comemorado como o dia de Nossa Senhora de Fátima.